Criança tem que ser criança. Chega de cobranças!

OI PESSOAS!!


  Eu estava esperando meu filho na natação quando escutei uma mãe falando com a babá à respeito do seu. Ela estava muito irritada, dizendo que ia tirá-lo porque em meses de aulas ele ainda não tinha aprendido nada direito, que o professor era uma merda, e que isso era um absurdo porque o filho da "fulana" só era um pouco mais velho e já estava nadando crawl e costas, e blablablá...

  Fiquei curiosa pra saber quem era esse menino porque a piscina é muito pequena para alguém maior que 7, 8 anos fazer aulas. Pensei que ele poderia ter alguma limitação e aí a mãe estaria meio revoltada, que poderia ser um adolescente, sei lá...

  Mas quando acabou a aula e as babás foram enrolar as crianças nos seus roupões super felpudos, eis que verifico o menino rebento da tal mulher. Um garoto de mais ou menos 5 anos de idade.

  Logo me bateu uma vontade de abraçar o coitado e dizer que ele não tem obrigação de saber nada perfeitamente, que o importante é ele se divertir e se sentir bem ao praticar qualquer atividade dirigida (sempre respeitando as ordens e indicações do professor, claro).

  O que esta senhora espera de uma criatura de 5 anos de idade? Que ele seja medalhista? Que tenha os movimentos perfeitos?

  Quando me deparo com esse tipo de situação eu sempre penso que uma mulher só poderia engravidar se mostrasse um comprovante de ter pelo menos uma noção sobre desenvolvimento infantil, tanto na parte física quanto psicológica. E como tenho licenciatura em Educação Física, me coço toda para não chegar na pessoa e mandar uma meia dúzia de estudos sobre a atual etapa de crescimento do filho, só pra ela deixar de ser sem noção.

  A única coisa que digo para meu filho quando o enrolo na toalha velha do Patatá (porque não quer usar roupão, e toalha velha ocupa pouco espaço) é que ele nadou muito bem e que continue se dedicando, ou que se hoje engoliu muita água, amanhã não engolirá porque vai prestar mais atenção no que o "tio" disse pra não engolir mais.

  Mas a pergunta mais importante na minha opinião é: "Você se divertiu?"

  Como sempre digo nos meus textos: temos que nos colocar no lugar dos nossos filhos. Se você quer que seu herdeiro seja um excelente nadador, ele só o será se realmente gostar da atividade, se sentir bem e à vontade ao praticá-la, e se não houver cobranças. Nenhum atleta é medalhista fazendo o que não gosta. Não mesmo.

  O sonho do meu marido é ver o Thor finalizando os adversários em um tatame de jiu-jitsu ou judô. Comprou um quimono da Atama, faixinha branca, tudo bonitinho. Tentamos colocá-lo para fazer uma aula experimental, mas ele não quis nem entrar no tatame. O sensei (professor) fez de tudo para atraí-lo para o treino, e o Gabriel (marido) até tentou fazê-lo interagir com um menino em uma atividade, mas ele fez com muito desprazer. Pronto. Não tentamos nenhum dia a mais.

  No futebol foi a mesma coisa, acho que até pior. Além do professor ter sido muito mau profissional e ter mandado ele ficar do lado de fora da quadra, meu filho nem olhar para os meninos treinando olhou!

  Agora fala que está na hora da natação? Vichi! O garoto enlouquece!! Corre para o armário, escolhe uma sunga, veste, e só pára de pular quando entra na piscina. Nunca vi tanta euforia! Tenho que falar para ficar calmo, pra dar uma respirada e diminuir o fluxo sanguíneo, senão os professores "cortam dobrado", rs.

  Diana também adora a natação, mas se ela sempre chorasse e não quisesse nem entrar na piscina, de forma alguma eu iria insistir. Só se ela me pedisse mais tarde.

  Não vou me esquecer de quando estávamos voltando da visita à aula de futebol e meu filho disse pra mim: "Mamãe, eu só quero natação". Ele nem precisava falar mais, pois alí ele já tinha decidido.

  Criança precisa fazer alguma atividade? Claro que sim. Desde que ela goste. Tentar se realizar através dela só vai trazer traumas e insatisfações pro seu futuro. A saúde mental tem que estar bem para que uma pessoa possa se sentir bem em qualquer atividade, e para uma criança, estar bem é fazer o que gosta (pelo menos no momento).

  "Ah, mas minha filha não sabe o que quer, cada hora é uma coisa!". Poxa, que ótimo! É sinal de que ela está procurando atender às suas satisfações físicas e mentais, e isso é fabuloso.

  E se a criatura não quiser fazer nada? Dedica um tempo, com dias e horários fixos mesmo, para levá-la ao play, ou para uma praça, parquinho, para que se mexa e se sinta bem, até se interessar por alguma coisa.

  Não cobre resultados, pois eles só virão de verdade e efetivamente se forem assimilados de forma prazerosa. A vida futura vai estar cheia de busca por resultados, e cabe a nós deixá-los preparados para encarar tudo de forma leve correta, sem a terrível auto-cobrança. 

fonte: getty image


  Concordam? Não? Quero saber! Escrevam nos comentários!


Clique aqui e se inscreva no canal do youtube!

Clique aqui e curta a página do facebook!

Clique aqui e me siga no instagram!

Beijão e fiquem com Deus

3 comentários:

  1. Super concordo,adoro seus posts.Beijos fica com Deus. :)

    ResponderExcluir
  2. Concordo com vc, mais acho que pela sua experiência poderia conversar com essa mãeluca (mãe maluca), fiquei morrendo de dó desse menino. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Concordo com vc, mais acho que pela sua experiência poderia conversar com essa mãeluca (mãe maluca), fiquei morrendo de dó desse menino. Bjs

    ResponderExcluir

Comentários: